5 práticas para a criação de um ambiente de trabalho motivador
5-praticas-para-a-criacao-de-um-ambiente-de-trabalho-motivador.jpeg

5 práticas para a criação de um ambiente de trabalho motivador

10 meses atrás 1

Compartilhe nas redes sociais.

O ambiente de trabalho tem um importante papel na forma como os funcionários pensam, agem e reagem às situações diárias. Quando ele é motivador, é provável que toda a equipe desempenhe suas tarefas cotidianas com mais rapidez e excelência.

Em um contexto externo cada vez mais complexo, com companhias abrindo e fechando todos os dias, esse ambiente pode ser considerado um grande diferencial competitivo. Então, ao criá-lo, também é possível destacar-se da concorrência.

A questão é: como é possível criar um ambiente de trabalho motivador? Para isso, é preciso saber investir em diversas táticas, desde o aprimoramento da comunicação interna até a melhoria do bem-estar de cada indivíduo na empresa.

Pensando nisso, criamos um guia especialmente para você. Hoje vamos lhe mostrar 5 principais dicas para a criação de um ambiente diferenciado, capaz de extrair o máximo dos colaboradores. Continue lendo nosso conteúdo e fique por dentro do assunto!

1. Melhore os processos de comunicação interna

Muitas empresas investem dezenas de milhares de reais na comunicação com seus clientes finais, objetivando atrair mais consumidores. O problema é que, muitas vezes, esquecem-se de melhorar o diálogo com seus clientes internos, os próprios funcionários.

A comunicação interna tem como principal objetivo manter cada profissional mais alinhado, informado e envolvido com a empresa. Segundo Peter Drucker, guru da administração, mais de 60% dos problemas internos acontecem pela falta de comunicação.

É possível destacar uma série de benefícios relacionados a uma boa comunicação, veja:

  • aumento da percepção de transparência;
  • potencialização dos resultados positivos;
  • redução dos conflitos interpessoais;
  • mitigação dos erros e acidentes internos;
  • maior alinhamento e motivação da equipe.

Para estruturar um bom diálogo, é necessário, primeiramente, que toda a liderança da companhia se comprometa com essa ideia. Todos, incluindo o proprietário, devem ter a comunicação com seus liderados como uma atividade-chave no dia a dia.

Também é importante implementar algumas ferramentas que facilitem essa comunicação. É possível destacar: murais de recados, redes sociais corporativas e aplicativos especializados. Escolha qual melhor se adéqua à empresa e ao perfil dos funcionários.

2. Aposte na liderança pelo exemplo

Algumas frases têm se tornado cada vez mais ineficazes dentro das empresas. Uma das principais é “faça o que eu falo, mas não faça o eu faço”. É crucial ter sempre em mente que os exemplos arrastam, especialmente quando eles vêm do topo da empresa.

Por isso, atualmente, algumas das maiores organizações do mundo investem na ideia de que deve-se conduzir pessoas pelo exemplo. É preciso mostrar — e não apenas falar — como as coisas devem ser feitas com ações no dia a dia.

Veja algumas dicas para isso:

  • coloque a mão na massa;
  • respeite sua cadeia de comando (caso haja);
  • tire um tempo para que as pessoas se sintam especiais;
  • acate os processos e políticas internas;
  • seja um solucionador de problemas.

É importante destacar que não é preciso que tenha um conhecimento técnico aprofundado, nem mesmo que faça o trabalho dos seus subordinados. Basta que abrace os valores compartilhados pela empresa, aplicando-os em sua própria vida profissional.

Com isso, muitos benefícios poderão ser observados. É muito provável que os profissionais fiquem mais engajados, focados e comprometidos com os resultados desejados.

3. Defina metas inteligentes e desafiadoras

As metas são uma das “armas” mais utilizadas dentro das empresas. Com elas, é possível canalizar os esforços de vários profissionais na busca de algo em comum. Porém, por muitas vezes, são definidas incorretamente e, por consequência, perdem eficiência.

Existem alguns erros que são fatais na hora de definir metas de trabalho, tais como: metas inatingíveis, abrangentes demais, sem um foco claro, etc. Por isso, hoje, é muito utilizado um padrão conhecido como SMART (acrônimo de cinco palavras do inglês).

Segundo ele, uma meta deve ser:

  • específica (specific): clara o suficiente para que todos a entendam;
  • mensurável (measurable): baseada em números que facilitem o monitoramento;
  • alcançável (attainable): exequível por qualquer membro da equipe — mas não fácil;
  • relevante (relevant): contribuir para o crescimento da empresa;
  • temporal (time-based): baseada em prazos específicos.

Além de tudo, é importante comunicar com clareza as metas, certificando-se de que todos compreenderam e vão buscar verdadeiramente conquistá-las. Monitore os resultados alcançados e gere feedbacks individuais para os profissionais.

4. Estabeleça recompensas que sejam desejadas

Além de estipular e cobrar por grandes resultados, é importante reconhecer e recompensar os colaboradores por suas conquistas. Quando isso é feito, cria-se um clima de meritocracia, em que cada pessoa é recompensada (em termos de carreira, prêmios e salário) pelo que faz.

Poucas coisas são consideradas tão motivadoras. Contudo, é preciso saber como definir boas recompensas, que instiguem resultados fora da curva. Veja algumas dicas:

  • seja justo: a recompensa de cada realização deve estar de acordo com o grau de esforço, complexidade e responsabilidade da tarefa;
  • saiba incentivar: é preciso definir recompensas realmente desejadas. Caso contrário, nenhum efeito será alcançado;
  • tenha equilíbrio: existem recompensas financeiras (comissão, bonificação, etc.) e outras não financeiras (dia de folga, vaga na garagem, etc.). Equilibre-as;
  • seja econômico: reflita sobre o que realmente cabe no orçamento. Nunca comprometa as finanças corporativas, pois isso pode ser ainda mais prejudicial.

Deixar de recompensar os profissionais é uma forma de demonstrar indiferença. Quando isso é feito, dissipa-se a ideia de meritocracia (o fazer por merecer) e dá-se lugar à sensação de injustiça — algo extremamente corrosivo para as relações interpessoais.

5. Invista no bem-estar da equipe

O ambiente de trabalho é um segundo lar para os profissionais, onde passam grande parte do seu dia a dia (ao menos 8 horas). Por isso, é preciso saber como construir um local que ofereça qualidade de vida e segurança e que estimule grandes resultados.

De acordo com pesquisa divulgada pela revista Exame, pequenas e médias empresas que investem no bem-estar dos seus profissionais são até 70% mais rentáveis e 86% mais produtivas. Veja agora algumas formas de otimizar a qualidade de vida na empresa:

  • invista em benefícios complementares (plano de saúde, odontológico, etc.);
  • incentive a prática de exercícios físicos pelos funcionários;
  • adote uma política de RH mais flexível — que permita o equilíbrio da vida profissional/pessoal dos colaboradores;
  • dê acesso a refeições saudáveis e balanceadas;
  • mantenha o local de trabalho limpo e organizado.

Ao aplicar todas as dicas já mencionadas, você conseguirá construir um ambiente de trabalho realmente motivador, capaz de estimular cada profissional. Por consequência, terá um empreendimento sólido, saudável e atraente para investimentos.

Gostou do nosso conteúdo? Está pronto para otimizar seu ambiente de trabalho? Aproveite para multiplicar nosso conteúdo — compartilhe-o nas redes sociais!